quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Agressão e preconceito no skate

É nessas horas que nós ficamos sem ter o que falar. 
Além de estar extremamente triste, ao mesmo tempo estou assustada porque a cada dia que passa esse tipo de violência aumenta. Sem contar nos que tratam as nossas causas e o movimento completamente inútil. 
E o pior, toda essa violência por absolutamente nada.

Olhem o absurdo:


"SKATADA NA CARA

AGRESSÃO E PRECONCEITO NO SKATE

No dia 03 de Agosto a Skatista profissional Ana Paula Araújo, local de São Paulo estava praticando o skate na Praça Roosevelt quando foi brutalmente agredida e ofendida pelo Skatista Profissional da empresa Snoway, Sócio na Metallum Trucks, Juiz da Confederação Brasileira de Skate e proprietário da empresa Vegetal Skate.
Durante a sessão de skate, numa das pausas para beber água e descansar, Ana Paula Araújo estava sentada na escada da praça com alguns praticantes conversando, quando foi iniciada uma conversa com conatação de brincadeira em que um deles falou:
“O Fulano, fala se a Paula não é um macho, aquele dia quando sua mina “tava” aí ela ficou falando dos “peitos” dela”.
Ana Paula Araújo respondeu: “Claro a mina “mó” bonita, mas nem por isso eu sou macho, apenas não tenho vergonha de falar que uma mina é bonita”.
O Agressor preconceituoso respondeu: “Vamos parar de chamar ela de macho se não ela perde a linha e vai embora e vê se para de falar da mina do cara desse jeito seu macho, fala da minha mina pra você ver”.
Ana Paula Araújo: “Cara, você quer zoar, zoa aí, mas sua mina é mó gata também, tem até uma cinturinha fina”.
O Agressor surta: “Cinturinha ???? Você tá tirando ???”...
Neste momento o Agressor levanta e se posiciona atrás de Ana Paula e diz: “Você é cheia de zoar os outros e não gosta que zoem com você”, e dá um tapa na cabeça de Ana Paula.
Neste momento ela e todos os presentes entram em choque, jamais imaginavam o que estava para acontecer.
O coadjuvante nº 1, que estava sentado ao seu lado esquerdo, segura suas mãos e fala para ela ficar calma, o coadjuvante nº 2, que estava ao seu lado direito fala para irem embora.
Ana Paula Araújo que estava sentada, cabisbaixa e em choque, não conseguiu se mover e nem falar nada, quando o agressor veio à sua frente e fala: “Você é mó macho mesmo”, e desfere um golpe com o skate em seu rosto. Definitivamente DEU-LHE UMA SKATADA.
Imediatamente o sangue começa a jorrar, ela não consegue enxergar de tanta dor, seus óculos quebrados.
O coadjuvante nº 1 começa a ajudar com os ferimentos e o coadjuvante nº 2 começa chorar em pânico.
A partir daí desceram as escadas da Roosevelt para lavar os ferimentos na torneira da praça.
Em seguida o Posto da Guarda Municipal a levou para o hospital, para que fossem prestados os primeiros socorros e após os primeiros cuidados foi lavrado o Boletim de Ocorrência e realizado o exame de corpo de delito.
Enfim, Ana Paula Araújo saiu para encontrar amigos e achou que estava entre eles, em momento algum imaginou que uma simples brincadeira fosse tomar tamanha proporção.
Frise-se que Ana Paula não é homossexual e mesmo que fosse NADA JUSTIFICARIA tamanha brutalidade.
Mas não deixaremos impune, como skatista e Advogada Criminalista vou instaurar Queixa-Crime para que o criminoso seja processado e ao final condenado..."

                                           Ana Paula Araújo, vítima

Fonte 



segunda-feira, 15 de julho de 2013

Hey amigo, você também merece!

Pra você que, quando chega dia 8 de março começa com as piadas de que "dia do homem é todo dia" você está enganado, porque o dia do homem existe sim e é comemorado hoje- 15 de julho.
Com o intuito de promover a igualdade solucionando, assim, problemas relacionados aos gêneros.
Para mim o dia é extremamente válido por esses motivos. (Embora algumas definições sejam um pouco conservadoras.)


O que muitos não sabem, é que em cada ano, a celebração ocorre com um foco diferente. A maioria relacionada a saúde, influenciando e incentivando os cuidados e a prevenção de doenças, como em 2002, que foi o "Ano da Saúde Masculina". 


Parabéns para aqueles que, juntos de nós lutam para melhorar as relações entre os gêneros e promovem a igualdade para que, ninguém saia prejudicado e nem privilegiado.