terça-feira, 17 de agosto de 2010

Como era a menstruação na Idade Média?


Ao longo da história, a menstruação recebeu inúmeras conotações – sempre negativas. No século I, o pensador romano Plínio, o Velho, defendia que nada poderia ser mais nocivo do que o fluxo menstrual.

"Mulheres menstruadas tornam o leite azedo e as sementes estéreis (...) O olhar delas faz o espelho opaco, cega as lâminas, tira o brilho do marfim", lê-se em sua enciclopédia História Natural.

Na Idade Média, a Igreja proibia as mulheres menstruadas de comungar. Na Inglaterra vitoriana de meados do século XIX, o menstruo foi catalogado como enfermidade.

Sob a ótica das feministas, tratar o sangue menstrual como veneno, impureza ou doença era uma forma de subjugar as mulheres e reprimir a sexualidade feminina.Para muitos povos, a menstruação era uma espécie de tabu e o sangue menstrual um elemento impuro.

Entre os Maoris, na Nova Zelândia, o sangue menstrual tem o status de uma pessoa morta que nunca viveu, como nos conta a antropóloga Mary Douglas. Em alguns contextos, é perigoso para o homem manter relações sexuais com uma mulher menstruada.

O sangue menstrual pode ser visto como venenoso e tóxico, a mulher menstruada não devia tocar em flores, nem preparar determinados alimentos. Em muitos casos a mulher menstruada é temporariamente afastada em locais especiais e não pode trabalhar, além de se alimentar com uma dieta especial.

A medicina tradicional chinesa, assim como a tradição judaica, recomenda o repouso durante os primeiros dias da menstruação.A menstruação era, em tempos passados, objeto de rituais sagrados à Grande Deusa, relacionava-se com a terra e com os mistérios sobre os ciclos de vida e morte.

A menstruação é uma pequena morte, que atualmente é vivida apenas como um incômodo. Esta perspectiva foi suplantada pelo ponto de vista patriarcal, transformada de fonte de poder, relacionada à capacidade de gerar, de dar vida, em motivo de vergonha.


O mundo hoje é muito melhor do que nos tempos passados... Isso é fato. Muitas coisas evoluiram. A gente pensa que hoje está ruim, mas não imagina quanto tempo levou até ficar do jeito que tá. Um dia foi bem pior. Hoje está melhor, e amanhã irá melhorar. Esses pensamentos antiquados logo se diluirão e só restará história.






Le feminisme ou la mort!

2 comentários: