sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Mulher no volante, Revolução constante.

Outro dia, entrei num ônibus da linha 32 intermunicipal
06:30 da manhã, horário de pico.
Quando subi as escadas, fiquei surpresa e feliz com algo que vi.
Uma mulher dirigindo um ônibus.

Até então, só tinha visto mulheres como cobradoras.
Motoristas mulheres mesmo só tinha visto em lotações municipais mesmo.
Uma mulher dirigindo um ônibus intermunicipal, em horário de pico (super lotado) pra mim foi legal de ver.
E detalhe: fiquei mais feliz ainda quando fui rodar a catraca e vi que a cobradora também era mulher.
Não que eu queira que as mulheres "dominem o mundo"; ou que só elas trabalhem e os homens não.
Eu só fiquei feliz mesmo porque eu vi que o preconceito aos poucos está se dissolvendo.
Fico feliz em ver que a sociedade está evoluindo.

Se fosse há alguns anos, isto seria inviável.
Uma mulher trabalhando como motorista era algo estranho de se ver.
Hoje é normal.
É claro que ainda há aqueles tipos de preconceito com as mulheres no transito.
Como por exemplo, se acontece uma "barbeiragem", antes mesmo de ver a cara do motorista, já imaginam que seja uma mulher.
Esse preconceito surge até das próprias mulheres.

Uma vez presenciei uma cena de preconceito de mulher para com outra mulher:

Um carro estava fazendo o retorno pra pista, e foi com tudo na frente do outro carro. Não pegou, mas passou bem perto.
E uma mulher que estava do meu lado falou :

"Nossa, que louca!!"

"Como assim 'que louca' se você nem sabe se é mulher ou homem?"  Eu disse.

Nisso, passamos pelo carro da "louca", e vimos que se tratava de um homem no volante.
Há !
Ela ficou muito sem graça em ver que era um homem.

Eu acho, e espero, que ela tenha aprendido pelo menos um pouquinho nesse dia.
Se toda vez que ocorrer uma situação parecida com esta, ela lembrar e não tirar conclusões precipitadas de novo, eu já ficaria feliz.


Mas é isso, espero ver muitas outras vezes mulheres dirigindo, tendo isto como trabalho ou não.
E também não deixar de ver homens neste ramo.
Porque nada me deixaria mais realizada do que se todos os empregos - sem exceção - tivessem homens e mulheres exercendo, em porcentagens iguais.



- Heloísa Vasconcelos


Le feminisme ou la mort ! 

2 comentários:

  1. Á evolução é inerente a humanidade, estamos condenados avançar, e a nossa condição.

    ResponderExcluir
  2. Onde será que vamos parar?
    Se é que vamos parar.
    Rsrs
    Mas é isso ai: Vamos nos deixar levar pela nossa condição, sempre avançando.

    ResponderExcluir