segunda-feira, 21 de junho de 2010

Os Movimentos Feministas


O século XX assiste à emancipação progressiva da mulher, até então
totalmente na dependência do homem.

Vários fatores contribuíram para isso:

- Revolução industrial que utiliza a mulher como mão-de-obra imprescindível para
certas indústrias, como o têxtil. Apesar de ser altamente explorada com salários
muito inferiores aos do homem, esse trabalho permitiu às mulheres uma
independência econômica que antes não tinham.
- A I Guerra Mundial exigiu um papel ativo das mulheres que se viram obrigadas
a substituir os homens nas fábricas, campos e serviços, enquanto eles partiam
para as frentes da batalha.
- Elevação do nível de instrução da mulher que começa a acontecer por iniciativas
dos governos ou para iniciativas particulares de espíritos filantrópicos.

- Surge o FEMINISMO: corrente que defende o movimento da luta das mulheres
pela igualdade de direitos em relação ao homem. Lutam pela:

* Igualdade Jurídica (leis)
* Igualdade Intelectual (instrução)
* Igualdade Econômica (profissão, trabalho e salários)
* Igualdade Política (direito de voto, possibilidade de ser eleita)
* Igualdade Social (família, sociedade)

MOVIMENTOS SUFRAGISTAS
desencadeados por mulheres de todos
os níveis sociais e culturais que
lutavam por todas as igualdades,
principalmente pela igualdade politica,
pelo direito de voto e pelo sufrágio
universal.

LUTAS REINVIDICATIVAS
das mulheres trabalhadoras por
aumento de salários, redução do
horário de trabalho, e melhores
condições de trabalho.

ALGUMAS FEMINISTAS FAMOSAS:
Emmeline Pankhurst (1908-1914)
Emily Davison (1913 – lança-se para a frente do cavalo do Rei)
♀ Ana de Castro Osório
♀ Carolina Michaëlis de Vasconcelos
Carlota Beatriz Ângelo

► Direitos conseguidos pelas mulheres
Principais conquistas obtidas entre as duas guerras mundiais:

- Direito de voto (conquista de voto universal)
- Acesso a profissões de nível superior (medicina, advocacia, engenharia e
professorado)
- Acesso ao mundo dos serviços
- Maior intervenção dentro da família: maior liberdade de movimentação;
maior liberdade sexual, com uso dos métodos contraceptivos.

► Reflexo da emancipação das mulheres

- Nos costumes – novo estilo de vida mais livre, vida social mais intensa, pratica
do desporto, procura de divertimentos, acesso aos vícios masculinos (beber e
fumar).
- Na moda – Mais simples e desportiva, com saias curtas, saia-calça, cabelo curto
à “garçonne”, substituição do espartilho pelo sutiã, decotes maiores,
maquiagem.
Surgem revistas femininas que exaltam a mulher e que a orientam no sentido de
cuidarem da sua imagem, exaltando a sua emancipação.



Le feminisme ou la mort!

domingo, 20 de junho de 2010

Clarice Lispector - Frases


-"Liberdade é pouco. O que eu quero ainda não tem nome."

-"Não quero ter a terrível limitação de quem vive apenas do que é possível fazer sentido. Eu não: quero é uma verdade inventada."

-"O que é verdadeiramente imoral é ter desistido de si mesmo."

-"Fique de vez em quando só, senão será submergido. Até o amor excessivo pode submergir uma pessoa."

-"Escrever é procurar entender, é procurar reproduzir o irreproduzível, é sentir até o último fim o sentimento que permaneceria apenas vago e sufocador. Escrever é também abençoar uma vida que não foi abençoada."

-"Minha liberdade é escrever. A palavra é o meu domínio sobre o mundo."

-"Eu escrevo sem esperança de que o que eu escrevo altere qualquer coisa. Não altera em nada... Porque no fundo a gente não está querendo alterar as coisas. A gente está querendo desabrochar de um modo ou de outro."

-"Eu só escrevo quando eu quero, eu sou uma amadora e faço questão de continuar a ser amadora. Profissional é aquele que tem uma obrigação consigo mesmo de escrever, ou então em relação ao outro. Agora, eu faço questão de não ser profissional, para manter minha liberdade."

-"Mas há a vida que é para ser intensamente vivida, há o amor.Que tem que ser vivido até a última gota.Sem nenhum medo. Não mata."

-"Renda-se, como eu me rendi. Mergulhe no que você não conhece como eu mergulhei. Não se preocupe em entender, viver ultrapassa qualquer entendimento."

-"Até cortar os próprios defeitos pode ser perigoso. Nunca se sabe qual é o defeito que sustenta nosso edifício inteiro."

-"Brasília…Uma prisão ao ar livre."

-"Sou como você me vê.
Posso ser leve como uma brisa ou forte como uma ventania,
Depende de quando e como você me vê passar."

-"É curioso como não sei dizer quem sou. Quer dizer, sei-o bem, mas não posso dizer. Sobretudo tenho medo de dizer porque no momento em que tento falar não só não exprimo o que sinto como o que sinto se transforma lentamente no que eu digo."

-"Suponho que me entender não é uma questão de inteligência e sim de sentir, de entrar em contato... Ou toca, ou não toca."

-"Quando se ama não é preciso entender o que se passa lá fora, pois tudo passa a acontecer dentro de nós."

-"E se me achar esquisita, respeite também. Até eu fui obrigada a me respeitar."

-"Porque eu fazia do amor um cálculo matemático errado: pensava que, somando as compreensões, eu amava. Não sabia que, somando as incompreensões é que se ama verdadeiramente. Porque eu, só por ter tido carinho, pensei que amar é fácil."

-"Não tenho tempo pra mais nada, ser feliz me consome muito."

-"Passei a vida tentando corrigir os erros que cometi na minha ânsia de acertar."

-"Com todo perdão da palavra, eu sou um mistério para mim."

-"Porque há o direito ao grito. Então eu grito."

-"E nem entendo aquilo que entendo: pois estou infinitamente maior que eu mesma, e não me alcanço."

-"O que verdadeiramente somos é aquilo que o impossível cria em nós."

-"Perder-se também é caminho."

-"O que importa afinal, viver ou saber que se está vivendo?"

-"Faça com que eu saiba ficar com o nada e mesmo assim me sentir como se estivesse pleno de tudo."

-"Já que se há de escrever, que pelo menos não se esmaguem com palavras as entrelinhas."

-"Acho que devemos fazer coisa proibida – senão sufocamos.
Mas sem sentimento de culpa e sim como aviso de que somos livres."

-"Amar os outros é a única salvação individual que conheço: ninguém estará perdido se der amor e às vezes receber amor em troca."

-"Minhas desequilibradas palavras são o luxo do meu silêncio"

-"Ter nascido me estragou a saúde."

-"O que me atormenta é que tudo é 'por enquanto', e nada é 'pra sempre'"

-"Mas quero ter a liberdade de dizer coisas sem nexo como profunda forma de te atingir. Só o errado me atrai, e amo o pecado, a flor do pecado."

-"Às vezes me dá enjôo de gente. Depois passa e fico de novo toda curiosa e atenta. E é só."

-"Não se conta tudo porque o tudo é um oco nada."

-"Eu sou mais forte do que eu."

-"Me deram um nome e me alienaram de mim."

-"Sempre conservei uma aspa à esquerda e à direita de mim."

-"Onde aprender a odiar para não morrer de amor?"

-"Amor será dar de presente ao outro a própria solidão? Pois é a última coisa que se pode dar de si."

-"Simplesmente eu sou eu. E você é você. É vasto, vai durar.
Por enquanto tu olhas para mim e me amas. Não: tu olhas para ti e te amas. É o que está certo."

-"Quero sempre ter a garantia de pelo menos estar pensando que entendo, não sei me entregar à desorientação."

-"Fico às vezes reduzida ao essencial, quer dizer, só meu coração bate."

-"O que me mata é o cotidiano. Eu queria só exceções."

-"Queria saber: depois que se é feliz o que acontece? O que vem depois?"

-"Mas lembrar-se com saudade é como se despedir de novo."

-"Inútil querer me classificar,eu simplesmente escapulo não deixando. Gênero não me pega mais."

-"Não se pode andar nú nem de corpo nem de espírito."

-"Se tenho que ser um objeto, que seja um objeto que grita."

-"A loucura é vizinha da mais cruel sensatez. Engulo a loucura porque ela me alucina calmamente."

-"Falar a verdade, nunca estive tão bem. Por quê? Não quero saber por quê."

-"Por que é que o cão é tão livre? Porque ele é o mistério vivo que não se indaga."

sexta-feira, 18 de junho de 2010

Clarice Lispector - Biografia e Obra


Clarice Lispector foi uma escritora e jornalista brasileira, nascida na Ucrânia em 10 de dezembro de 1920. Filha de Pinkouss e Maria Lispector de origem judaica, sofreram perseguição durante a Guerra Civil Russa de 1918-1921. Enquanto percorriam várias aldeias da Ucrânia, antes da viagem de emigração ao continente americano por causa da perseguição, Clarice nasce em Tchechelnik, na Ucrânia

Primeiramente Clarice se chamava Haia Lispector, mas depois da chegada ao Brasil (Maceió em março de 1922) a família quis que ela tivesse um nome brasileiro.

Clarice Lispector começou a escrever logo que aprendeu a ler, na cidade do Recife, onde passou parte da infância. Falava vários idiomas, entre eles o francês e inglês. Cresceu ouvindo no âmbito domiciliar o idioma materno, o iídiche.

Foi hospitalizada pouco tempo depois da publicação do romance A Hora da Estrela com câncer inoperável no ovário, diagnóstico desconhecido por ela. Faleceu no dia 9 de dezembro de 1977, um dia antes de seu 57° aniversário. Foi inumada no Cemitério Israelita do Caju, no Rio de Janeiro, em 11 de dezembro.


Obras:
1943: Perto do Coração Selvagem (romance)
1946: O Lustre (romance)
1949: A Cidade Sitiada (romance)
1960: Laços de família (contos)
1961: A Maçã no Escuro (romance)
1964: A legião estrangeira (contos)
1964: A Paixão segundo G.H. (romance)
1967: O mistério do coelho pensante (infantil)
1968: A mulher que matou os peixes (infantil)
1969: Uma Aprendizagem ou o Livro dos Prazeres (romance)
1971: Felicidade clandestina (contos)
1973: Água Viva (romance)
1974: Onde estiveres de noite (contos)
1974: A via crucis do corpo (contos)
1974: A vida íntima de Laura (contos)
1977: A Hora da Estrela (1977)
Obras póstumas:
1978: Pra não esquecer (crônicas)
1978: Um Sopro de Vida (romance)
1978: Quase de verdade (infantil)
1979: A bela e a fera (contos)
1987: Como nasceram as estrelas (infantil)
Homenagens ou edições especiais:2002: Correspondências
2004: Aprendendo a viver (crônicas)
2005: Aprendendo a viver (imagens)
2005: Outros escritos
2006: Correio feminino (crônicas)
2006: A hora da estrela (edição especial áudio-livro)
2007: Entrevistas
2007: Minhas queridas
2008: Só para mulheres
2008: A descoberta do mundo (crônicas)
2009: Clarice na cabeceira (contos)


Fontes:
http://www.claricelispector.com.br/
http://www.wikipedia.org.br/




Clarice é para mim uma inspiração magnânima. Só não digo que quero ser igual a ela quando crescer porque ela já existiu, e não vai haver outra Clarice para substituir. Talvez se eu for simplesmente eu, em minha totalidade, poderei ser alguém.

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Eco-Feminismo

A participação feminina na preservação da vida!

Resumo:
"As preocupações com o meio ambiente e com as condições de vida humana encontram-se cada vez mais freqüentes no cenário atual. A crise ambiental pode gerar problemas significativos para o planeta, com danos irreversíveis. Um movimento que busca a preservação do meio ambiente e a melhora da qualidade de vida é o ecofeminismo, influenciado pelo feminismo, ecologia e pacifismo. Pessoas ao redor do planeta buscam o desenvolvimento sustentável e o fim da exploração capitalista e patriarcal, em especial à do meio ambiente e à da mulher, inspiradas pelo movimento ecofeminista. O ecofeminismo aborda a relação da mulher com a natureza e expõe a interligação entre a exploração e submissão da natureza com a da mulher, e, ainda, de todos excluídos do poder, pela dominação masculina. Desta forma, relaciona a preservação ambiental à libertação da mulher. Esse trabalho abrange os principais fundamentos do ecofeminismo, a ligação da mulher com a natureza e como o movimento contribui para a conscientização ecológica da população."

História:
"O termo Ecofeminismo foi originalmente utilizado pela francesa Françoise d´Eaubonne[1] em 1974 e simboliza a união do pacifismo, ambientalismo (ecologia) e feminismo, atuando inicialmente contra a construção de usinas nucleares, e posteriormente aplicado ao Movimento Chipko (Índia). Também sofreu influência dos movimentos antimilitaristas e antinucleares que eclodiram na Europa e Estados Unidos na década de 60.

O ecofeminismo apresenta em comum com os movimentos citados a idéia de descentralização (não-hierarquização), apoio ao desenvolvimento sustentável, busca de tecnologias não-agressivas ao meio ambiente e a superação da dominação patriarcal sobre os gêneros.

Iniciando com o ativismo ambiental de mulheres, na segurança ambiental e defesa da saúde, essa corrente ambientalista do feminismo firmou-se como corrente específica após o encontro promovido pelas Nações Unidas no Rio de Janeiro, em 1992, com a liderança de Petra Kelly.

Nesse evento, os debates entre o movimento das mulheres e o ambientalista relevaram tanto a importância do meio ambiente para a saúde física e mental dos seres, quanto a importância do despertar da cidadania feminina e a conscientização de seus direitos.

Dentre o ecofeminismo existem diversas correntes, desde as mais socialistas, até as mais liberais.Há também vertentes espiritualistas e esotéricas, e programas sócio-ambientais que compartilham os princípios ecofeministas, embora às vezes sua organização não se define como tal. Um exemplo de movimento ecofeminista internacional é o Woman´s Environment and Development Organization (WEDO), e nacional, a Rede de Defesa da Espécie Humana (REDEH) e Rede Mulher de Educação (RME)."
fonte: http://www.ecofeminismo.com.br


Esta é uma espécie de ramificação do feminismo propriamente dito. Este é mais leve, mais brando. Menos voltado a igualdade de salários, e mais voltado ao meio-ambiente. Bem interessante também.



Le feminisme ou la mort!

quarta-feira, 16 de junho de 2010

Mulheres machistas; Homens feministas

Claro que existe. E ainda sou mais ousada em afirmar que existem mais mulheres machistas do que feministas. E isso é uma pena, porque não pode haver evolução sem mudança das próprias mulheres. E esse processo é mais lento quando as mulheres a favor da mudança são minoria.

Porém, a notícia boa é que também tem homens feministas. (Lógico, a grande maioria não assume ou não sabe que são). Mas eu até entendo, é difícil para um homem dizer “sou feminista” porque podem interpreta-lo mal, chamá-lo de homossexual. Mas isso não tem nada a ver. Todavia, não faz mal eles não assumirem. Porque o importante não é você falar “Ah, eu sou feminista. Sou a favor da evolução” e não fazer jus ao que diz (como muitas mulheres pseudo-feministas)O que realmente importa é a ação. E a diminuição das contradições(que são bem difíceis de conter)Mas eu sei que uma hora essas contradições do nosso dia-a-dia vão diminuindo gradativa e naturalmente.

Claro, é importante falar que é feminista sim, gritar para o mundo inteiro, para mais pessoas verem que é uma coisa positiva e juntarem-se a nós, mas a palavra não vale nada sem a nossa ação. São pequenos ou grandes atos do nosso dia-a-dia. Quando nós surpreendemos alguém sobre alguma coisa, mostramos um novo lado de um pensamento antiquado que ela achava ser o único lado, nós ensinamos algo a essa pessoa. E essa pessoa aprendendo algo, ela vai querer ensinar o que aprendeu. Então mais vale você mostrar para alguém que somos iguais do que simplesmente falar “somos iguais”.

Mas voltemos ao nosso raciocínio inicial:
Pense comigo:
Se existem homens feministas (e que não assumem ou não sabem que são), também podem muito bem existirem mulheres machistas que não assumem ou não sabem que são, não é mesmo?
Make sense.
Porém, não faz sentido a mudança partir dos homens. Até porque a situação atual beneficia a eles. Por enquanto são eles que dominam esse mundo. Difícil de admitir, não é? Mas é verdade, mas por enquanto. Não quero dizer que as mulheres dominarão esse mundo, e sim que ele será dominado por quem merece. Homens e mulheres juntos determinados a sustentar esse mundo, que é único. Se nós acabarmos com ele, nos autodestruimos também, porque não há outro para substituir. São coisas obvias da nossa rotina que simplesmente esquecemos, deixamos de lado.

E só quero estar viva para sentir essa mudança na pele.
Porque não vai nascer uma lei em que todos deverão ser feministas. E sim cessarão os preconceitos contra a mulher. E isso não é uma coisa que se lê em papel. É algo que se sentirá na pele. Aliás, só as mulheres que viveram nesse mundo atual sentirão na pele. As novas mulheres que hoje são crianças ou que nem nasceram ainda, não vão nem perceber que o mundo que elas vivem é bem melhor.

Assim como eu não senti na pele a mudança de uns 50 ou 60 anos atrás, em que as mulheres nem votavam ainda. Quando eu nasci, elas já votavam há muito tempo, então pra mim isso sempre foi normal. Mas não, a gente tem que pensar que nem sempre foi assim. E que sim, houve uma evolução, e bem grande. Porém, não está concluída a nossa jornada. E está longe de terminar.

As mulheres continuam ganhando menos que os homens mesmo realizando exatamente as mesmas coisas. Só porque são mulheres. As meninas continuam sofrendo preconceito e machismo dos pais E DAS MÃES. Elas não pediram para nascerem meninas. E mesmo se tivessem pedido, isso não seria uma coisa ruim. Porque ser mulher é muito bom! Nós podemos gerar filhos (até sozinhas, se quisermos, com o avanço da medicina). Tem umas coisas chatas em ser mulher(menstruação, TPM, cólicas, enfim) Mas ser homens também tem lá suas desvantagens. Então não é justo uma mãe ter um filho homem e uma mulher e mandar ela lavar a louça e deixar o guri sentado assistindo programa de esporte.

Certa vez que questionei minha mãe sobre isso, ela disse: “Você vai ter uma casa um dia e tem que aprender a cuidar dela, fazer as tarefas domésticas direito”. Eu fiquei quieta pra não levar um tapa na boca, mas fiquei com vontade de falar “E o meu irmão, não vai ter uma casa também?” Claro que vai ter né, mas vai ter uma trouxa que vai ficar em casa limpando sujeira, fazendo a comida enquanto ele trabalha. Porque a mãe dela era machista e a ensinou que ela teria que fazer isso. Pra ela é essa a realidade, por isso o sonho que no fundo do coração dela ela tem de ser medica, engenheira ou qualquer outra coisa, continua bem lá no fundo e não se manifesta.

Se o seu sonho é ser dona de casa (o que pode você pode ser mesmo tendo uma profissão) tente realizá-lo!Se você quer ser rockstar, vá ser! Se quer ser jornalista, vá ser! Mas eu digo pra você: se esse é seu sonho, não desista dele. Não se acomode nem se conforme com o que um dia botaram na sua cabeça. Você pode mudar, se você quiser. Você escolhe seus caminhos e sua direção. Você pensa por si só. Você pode.

Essa mesma moça fictícia (mas muito comum)de que falávamos, se ela não tiver uma forçinha e mudar seu destino, sabe o que vai acontecer com ela? Ela vai se encher de filhos, e vai ensinar pra todos eles que as meninas têm que trabalhar em casa e os meninos trabalhar fora. Porque ela foi ensinada, desde criancinha, a ser machista.
Tudo depende da criação. Como eu disse no post anterior, as meninas são criadas achando que são frágeis e vulneráveis. Enquanto os meninos são criados achando que são os fortões, os maiorais. Pura alienação. Eles enfiam na nossa cabeça que somos diferentes, sendo que na verdade não somos. Eles querem cada vez nos separar mais.
Mais um exemplo de mulheres machistas:

Meu irmão tem 20 anos, eu tenho 17. Uma vez eu cheguei meio “alta” em casa e levei a maior surra. Mas meu irmão pode chegar caindo em casa de madrugada todo vomitado que não tem problema. No outro dia surgem até piadinhas e ele ganha beijos e abraços. Hipocrisia e alienação total. Ah, é porque ele é maior de idade? Mas ele também mora nessa casa. Ele não tem capacidade ainda de morar sozinho e se sustentar, então de que adianta uma porra de maioridade? Ele é igual a mim, estamos no mesmo patamar. Nós dois trabalhamos. Igual.

E outra, meus pais falam que não vai mudar nada quando eu tiver 18 anos, que na regra deles eu vou ter os mesmos direitos e deverem. Então por que raios as cagadas do meu irmão são perdoadas e as minhas não?? Se você leu isso desde o começo você já sabe. A resposta é: Porque eu sou mulher, e eles são MACHISTAS. Ou seja, sou presa fácil pra eles. É porque eu sou a menina frágil e delicada que só existe na imaginação deles. Bom, por hoje é só. Se você ainda tem jeito, você também se revoltou com esses exemplos, e era essa a minha intenção.


- Heloísa Vasconcelos


Le feminisme ou la mort!

sexta-feira, 11 de junho de 2010

Le feminisme ou la mort!

Você sabe o que é feminismo?
Pra quem ainda não sabe,
Feminismo é igualdade.
É a crença de algumas pessoas (não só mulheres)
de que homens e mulheres não têm diferenças de capacidades nem de comportamento (sim, nem, de comportamento)
E explicarei o porquê.

Feminismo tem uma grande diferença de machismo, obviamente
Mas, se engana quem acha que são coisas opostas.
Nâo são.

Observe:
Machismo=falsa idéia de que homens são superiores que mulheres
Femismo (atenção, é FEMISMO e não feminismo!)=falsa idéia de que mulheres são superiores que homens.
e finalmente, Feminismo=IGUALDADE.

E o que seria igualdade?
Seria a liberdade de ambas as partes para fazer o que der vontade
Por exemplo: Quem disse que futebol é coisa de homem?
Na verdade, é coisa de quem quer gostar
Tem muitas mulheres que gostam de futebol
Assim como tem homens que não gostam.
Varia de pessoa pra pessoa.

Agora, sempre que eu falo isso pra alguém, falam "Ah, mas os sexos são diferentes por natureza...É uma coisa natural"
E eu digo: Não, não é natural. Tudo depende da criação que você teve.
As meninas são criadas ganhando bonecas e não carrinhos
Inconcientemente eles querem dizer pra vc, garota: "Você nasceu pra ter um filho e não um carro"

Os meninos ganham super-heróis, porque eles já são criados para "cuidar" da família, ser o responsável por ela, "proteger" as meninas.(O que mesmo assim nem sempre acontece, senão não existiria a Delegacia da Mulher)
Mas eu só quero dizer, que não é culpa da própria pessoa que é femista ou machista ela ser desse jeito. É culpa de quem a criou. Assim sendo, a pessoa que a criou também é femista ou machista.

Todavia, foi culpa de quem criou a pessoa que criou a pessoa que é femista ou machista.
Esses rodeios todos, são pra dizer que isso é uma coisa que se passa de geração em geração. E quando as coisas são assim...Pode acreditar: São difíceis de mudar, viu...
Infelizmente.
Mas assim...Nada é impossível, então, creio eu que a mudança tem que começar primeiro de você.
Por que?
Porque ao longo do nosso dia, nós nos contradizemos.
Por exemplo: Uma guria diz que é feminista. No entanto, se ela está em uma competição que exija um pouco mais de esforço físico, que haja meninos e meninas e ela perde, ela dá a desculpa de que é menina e é mais fraca. E também há outras mais nerds que preferem dar uma aula de musculos e/ou hormônios em vez de assumir que perdeu por falta de sorte.

Talvez ela não saiba disso, e ache que ela é realmente inferior
Mesmo que se perguntar isso à ela diretamente, ela automaticamente vai responder "Não", mas na verdade, o que essa mesma menina vai ensinar aos seus filhos (não diretamente, mas sim no jeito como trata) é aquilo que eu estava dizendo: Mulheres foram feitas para teres filhinhos e educa-los com idéias machistas, enquanto os meninos ganham carrinhos, porque eles terão carros de verdade um dia e super-heróis, e também brincam de lutinha com os pais (porque ele iria brincar disso com a filha já que luta não é coisa de mulher, certo?)

Tenha santa paciencia...Quando esse mundo será igualitário? Quando as pessoas entenderão que NÃO HÁ diferenças entre os sexos?? E não venha me dizer que por causa de um pouco mais ou um pouco menos de carne no meio das pernas vai dizer se você é superior ou inferior à alguém! Me poupe dessa falta de inteligência.




-Heloísa Vasconcelos

quinta-feira, 10 de junho de 2010

Só sei que eu quero.

"Às vezes eu me sinto vazia
Porque tudo o que eu quero eu consigo
Você pode até se perguntar:
'Então como tu se sente vazia conquistando tudo o que quer??'
É porque quando eu quero...Eu tenho objetivos
E quando eu tenho objetivos...Eu luto
Eu foco no que eu quero
E o que eu quero passa a ser meu sonho
Sonho de consumo
E eu não consigo ver as coisas ao redor
Quando eu tenho objetivos
E sonhos
Eu batalho muito pra conquistá-los
Eu sou fria e calculista
Pra dar tudo certo
Pra mim conseguir
E geralmente eu consigo
E assim, meus sonhos viram realidade
Então, consequentemente, eles acabam
Um sonho pra ser bom não pode ser realizado
Porque depois fica banal
Você já conseguiu, então desvaloriza
Mas não é com todo mundo que isso acontece
Só com os birrentos e mimados
Como eu.
Quando eu quero alguma coisa,
eu automaticamente me coloco um cabresto
E só vejo um único caminho, uma unica direção
Então eu não sei se é certo afirmar:
'Não quero que meus sonhos se realizem'
Pra mim poder preservá-los, e colocá-los num tanque de formol
Ou se eu devo aceitar que a minha vida inteira eu terei sonhos
E eles sempre vão se acabar no momento em que eu concluí-los
para assim nascerem outros
É difícil afirmar este último também.
Porque eu amo o que eu quero, e é doloroso saber que quando eu conquistar, já era.
Não amarei mais. Não será mais nada. Só passado.
Ah...Sonhos...Desejos
Como lidar com eles?
Da onde eles surgem?
Eu gostaria muito de saber em que parte do nosso cérebro
que se criam os desejos
o 'ter, ter e ter'
No meu caso, o ter nem sempre é sobre coisas materiais.
Aliás, na maioria das vezes, e nos mais críticos dos casos, eu quero pessoas.
É estranho, porque é como se eu as tratasse
as pessoas como objetos
'Eu quero, eu preciso, eu terei'
Acho que não é esse o melhor jeito de se viver
Mas eu sou assim e não consigo mudar
Principalmente quando se tratam de 'paixonites'
Eu me apaixono fácil
Mas em compensação, o encanto acaba fácil também"



-Bruna Souza Magalhães