quarta-feira, 23 de março de 2011

SLUT

Pode me chamar de vadia
Se quiser, me chame de vagabunda
Seu estereotipar é vulgar
E não quem acusas com esta boca imunda

Não ligo para seus rótulos
São como selos que colas em meus membros
Que facilmente retiro, amasso e te faço engolir
São tantos que retirei que nem mais me lembro

Não vou fazer o que queres
Nem serei como você e todos querem
Nasci de um jeito e serei como eu quiser
Ser casual? Nunca de mim esperem

Sem rótulo, sem fachada, sem selo
Me divirto com seu pré-julgamento
Mas quero mostrar-te como realmente sou
E depois ver sua feição de encantamento

Sofrendo, chorando, sorrindo
Você me descobrindo a cada segundo
A cada segundo me amas mais
Sou minha e sou sua, e não do mundo.


Bruna de Souza Magalhães

2 comentários:

  1. defien uma mulher apaixonada ???
    intendi mais num intendi a colocação ... enfim so comentando mesmo

    ResponderExcluir
  2. Porque uma feminista, independente e de atitude não precisa ser fria...Nem frígida...Nem sem sentimentos.

    Pelo contrário, ela pode ser puro sentimento..

    Uma feminista não é obrigada a ter o emocional de uma pedra. Eu não tenho o emocional de uma pedra. Eu amo, eu odeio, eu me revolto, mas não me conformo. É essa a diferença.

    Mas eu sou humana, não sou um robô de aço

    ResponderExcluir