sábado, 12 de fevereiro de 2011

Girls are strong


 Olá. Não estou aqui para botar uma idéia já formada na sua cabeça. Você veio aqui de livre e espontânea vontade. Pra que ao certo eu não sei, mas seria legal você me contar. Tem gente que entra aqui para "ser foda". Tem gente que entra já sabendo que será contra e que vai criticar, discutir. Tem gente que não tem idéia nenhuma e busca uma ideologia a seguir. Cada um tem um motivo, concreto ou não, de estar aqui. Como você teve todo o trabalho de abrir esta página, eu me sinto com vontade de te dizer algumas coisas, compartilhar algumas fotos e idéias. Lembrando que você tem todo o direito de ser contra o que quiser, estamos aqui para debater e discutir polêmicas e tabus.
Primeiramente pedirei para observar a foto ao lado. O que você sente quando a observa? O que sente quando se imagina perto dessa menina ou no lugar dela? Eu, particular e sinceramente, me sinto com inveja. Porque eu na idade dessa menininha não saia pras ruas fazer revolução com uma plaquinha escrito "garotas são fortes". Eu só ficava questionando minha mãe sobre coisas que meu irmão podia fazer e eu não.

Agora lembrei de algumas postagens antigas em que eu falei sobre porquê das meninas gostarem de brincar de boneca e os meninos de carrinho. Para quem não leu, aqui vai um breve resumo.

Quando alguém vai dar um presente para uma menina, quase sempre ganham bonecas, fogõezinhos e mini pias de lavar louça. Ela sente inconcientemente como um treino para algo futuro, então ela obrigatoriamente brinca com aquilo. Os meninos ganham carrinhos porque a ignorância humana é atrasada. O mesmo número de homens que dirigem é o mesmo que de mulheres. Todo menino pequeno, quando questionado por que meninas não brincam de carrinho, eles falam: "porque mulheres não dirigem". É ai que esta a questão. Por que meninos não ganham bebês da estrela nem mini pias de lavar louça? Porque eles não terão filhos um dia e usarão louça e talheres descartáveis por toda a vida? Não. Porque já está na mente até da criança que serviços domésticos são papel da figura feminina; e dirigir carros, da figura masculina. Não estou menosprezando os serviços domésticos, estes precisam ser realizados seja por quem for independente do gênero. Mas ninguém sabe me explicar o por que desta situação: 1 casal, os dois trabalham fora, os dois chegam tarde em casa, os dois têm o final de semana livre. Mas além do serviço realizado na empresa, é a mulher quem tem que chegar em casa, cansada ou não, e lavar as cuecas do marido, porque o inútil não pode lavar as próprias cuecas no chuveiro. Porque a mãe dele não o ensinou que isso deve ser feito, ela só ensinou a irmã dele a lavar as calcinhas. E aí vem um imbecil e fala que mulheres são dependentes dos homens. Observa a situação de vários e vários casais como este no mundo e reflita sobre quem depende de quem. Não quero que o cargo de dependente recaia sobre o homem. Não estou aqui para isso. Eu sou a favor da independência dos dois. Lógico que os deveres têm que ser divididos. É justo a mulher, cansada de um dia estafante de trabalho, ainda ser obrigada a ter disposição de fazer serviços domésticos, enquanto o homem fica assistindo ao canal esportivo? Claro que não. A casa é dos dois, nenhum dos dois ficam coçando em casa sem fazer nada e os dois nela residem e contribuem para sujá-la, então os dois têm que contribuirem para mantê-la limpa.

Casais à parte, falarei de um tabu digamos que clichê. Mas que precisa ser discutido. O aborto. E pode ser estranho, mas eu sendo feminista sou totalmente contra o aborto. As feministas radicais de plantão que me perdoem, mas aborto é coisa de mulher COVARDE. E que rebaixa e denegri o nome das mulheres. Uma cidadã que realiza um aborto, não é uma MULHER, é uma "mulher". Mais uma vez peço para observar a foto que está acima. O cúmulo da covardia. Este ser não pediu para ser colocado naquele ventre. E ela só tirou a vida dele porque não pôde vê-lo de fato. E também porque não foi a mão dela que foi suja de sangue e nem o sangue dela que foi derramado. Se ele estivesse assim, fora da barriga, na frente dela, porém vivo, e alguém desse um taco de baseball e falasse "anda, pode matar." Eu quero ver quem ia matar. Covarde.
Por isso, não me rotule, nem me subestime. Eu posso ser melhor que eu mesma. Não me limite. Não é porque eu sou feminista, que vou ser a favor de um homicídio dos mais covardes que se pode existir.
Por isso você, é humana, sente tesão, sente vontade de dar, como qualquer mortal. Foi imposto isso no seu DNA. Se não fosse esta vontade de acasalar, a espécie não seria prolongada, simples assim. Mas por favor, usa uma porra de uma camisinha, que é dada de graça nas UBS's ou custa uma merreca nas farmácias e mercados, assim como o valor das suas genitárias, que você mesma vulgariza. Se o seu "namorado" quer que você aborte, manda ele tomar no cú. Este ser sem sentimentos (e/ou sem inteligência) não compreende a grandiosidade da vida além do sexo banal.


Mudando um pouco o clima pesado no ar, deixo aqui alguns símbolos interessantes que eu achei nas minhas pesquisas. Bons para sair escrevendo nos muros por ai, fazer uma tatuagem, etc. O que você sentir inspiração para fazer. O primeiro é bem estilo "feministas das ruas" perfeito para pintar no rosto durante uma passeata feminista, por exemplo. O segundo é bem estilo "sangue derramado", envolvendo história, luta, sacrifícios e mortes. O terceiro e último é perfeito para ter uma tattoo no pescoço por exemplo, simbolizando a independência feminina e a força.



Le feminisme ou la mort!

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Título assaz chamativo e interessante

Eu sou andarilho
Não tenho uma residência fixa
Não uso computador
Não fico na frente de nenhuma tela esperando por algo que nunca vai chegar

Minha vida não é de luxo, de riquezas materiais
Mas cumpro todos os dias minha fatídica missão
A de existir e de viver como animal que sou
Eu como, durmo, acasalo e faço as necessidades fisiológicas sem uma certa razão

Eu penso só o necessário para saber que não adianta saber o quanto eu preciso pensar para saber de algo que nunca entenderei de fato
Não quebro minha cabeça à toa
Não vou passar a vida inteira estudando para contar uma verdade fútil para a humanidade
Não preciso saber se vim de uma explosão de uma simples divina mão

Se eu sou feliz?
Primeiro me responda o que é ser feliz pra ti
Te contentas em ganhar dinheiro para comprar uma roupa
Ou te contentas em ser nada mais, nada menos do que tu está incumbido de ser?

Os sonhos são treinamentos
Treinamos a imaginação para fazer o que tem que ser feito
E é sonhando que temos a resposta para as perguntas sobre a morte
Se vamos para as estrelas, para outras dimensões, para um céu ou para um inferno

Viestes da terra, criara-te de pés descalsos
Porém irrefutavelmente fostes com o fluxo
E suou trinta dias à fio para comprar este par de calçados
Se as pedras te machucam calce um par de sandalhas, meu irmão.

Criticas minha mente e meu modo de pensar
Mas sabe que o que fazes é inútil, nenhum outro animal se preocupa tanto com pouco
Elogiam quem não merece, idolatram fracassados e menosprezam os lunáticos
Como se o mais rico de dinheiro não fosse se decompor da mesma maneira que o mais rico de idéias

Existe uma bifurcação
Em um caminho tem eu e alguns
No outro caminho tem tu e todos
Eu sei que não entendeste uma palavra que eu disse mas não vou me preocupar em pensar num modo mais compreensível de te dizer que tu é vulgar e banal.

Como dizer para algo que ele é ouro, se ele quer ser lixo até os últimos segundos de sua vida?
Meu plano é dizer-te a mentira, subestimar seu sentido de existir, para mostrar-lhe a verdade
Mas só utiliza sua inteligência para ganhar cada vez mais dinheiro para comprar mais dinheiro e pessoas e sentimentos.

Pensa na minha mentira
Vulgar e banal
E descubra a verdade
Nem és ouro, é platina.

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Metamorfose Seixas

Enquanto você se importa tanto com segundas e terceiras opniões
Fica tão escravo, tão submisso e obediente na frente de uma tela
Eu estou andando, correndo, falando, tocando, compondo, vivendo
Vocês são humanos, ridículos, limitados e só usam 10% de suas cabeças animais

Mas infelizmente eu não existo, sou apenas fruto de suas imaginações
Talvez um dia eu tenha existido de fato, mas na época errada
Avançado demais para suportar as esquisitices humanas
E que continuam por ai talvez até piores que antes, gradativa regressão

Dinheiro não é o bastante
Fama não é o suficiente
Mulheres não são objetos trocáveis, reutilizáveis e descartáveis
Drogas são fórmulas de escape

Eu tinha tudo isso
Mas não tinha nada
Até hoje não descobri o que eu realmente queria
Talvez eu tenha quisto o que eu tive
Exatamente como foi, sem tirar nem por

Outro destino não havia

Porque os loucos metaformorfósicos ambulantes não duram muito
Suas vidas são curtas, mas suas missões ficam para sempre

Imutáveis
Memoráveis
Discutíveis
Polêmicas
Questionáveis
Intrigantes

Minha força está na solidão
Casulando-me é onde encontrei a verdade
Assim que descobri, mu(a)tei-me
Tornei-me um novo ser e não contei-lhes minha valiosa nova verdade
Porque odeio as lagartas.