sábado, 30 de abril de 2011

Carta aberta para Sandy

Vou te dar um conselho… de mulher pra mulher: você não precisa ser santa, nem puta. Você pode ser livre.
por Tica Moreno*
Quando eu estava no ensino médio, você fez um desserviço pras meninas da minha idade, que é a mesma idade que a sua.
Foi a época da "garota sandy": uma jovem, bonita, magra, de cabelo liso, a filha que todo pai e mãe queria ter, rica…. e virgem. E que afirmava que queria casar virgem.
A garota sandy era aquilo que nenhuma de nós éramos, mesmo que a gente tivesse uma ou outra característica dessas aí de cima. A verdade é que a gente nem queria ser daquele jeito.
Foi a primeira vez (que eu me lembre) que eu me vi sendo comparada com um modelo de mulher que eu não queria ser. E eram os outros que nos comparavam. Aí a gente foi se sentindo inadequada, umas mais, umas menos.
Qual era (qual é) o problema de não casar virgem? (Isso pra não perguntar qual é o problema de não querer casar…)
Você não acha um problema de fato, até porque há alguns anos você afirmou que não tinha casado virgem. Fico até aliviada por você, porque imagina se não fosse bom com seu marido? Ainda mais se a relação de vocês for monogâmica e conservadora… Não desejo uma vida sem orgasmo nem pro meu pior inimigo.
Mas voltando. O padrão “garota sandy” não foi uma reportagem qualquer que saiu na revista da folha. Reforçou um padrão que faz com que a anorexia e a bulimia estejam entre as principais doenças de jovens mulheres, que faz com que milhões de meninas e mulheres vivam sua sexualidade a vida inteira de forma passiva, em função do desejo e do prazer do cara, que faz as meninas e mulheres que são donas do seu desejo serem consideradas vadias, vagabundas, putas, devassas.
O machismo faz isso: separa as mulheres entre santas e putas, “valoriza” as santas e puras e desqualifica, discrimina, violenta as “putas”.
Deve ter algum motivo pra você se afirmar como santa, e não como puta, numa época da sua vida.
E daí eu vou te dizer, caso você ainda não tenha entendido o porquê dessa carta aberta, seu segundo desserviço pras mulheres. Ser a nova garota devassa.
Pra quê?? De dinheiro você não precisa.
Você não estudou psicologia? Deveria ter aprendido alguma coisa sobre sexualidade teoricamente, além da prática (que, de novo, espero que seja boa pra você).
Nem as santas, nem as putas, são donas do seu desejo, do seu corpo, da sua sexualidade. O símbolo da devassa, e o imaginário que essa cerveja construiu – e que você vai propagandear – é o de uma mulher feita nos moldes do que a maioria dos homens tem tesão por. Importa o tesão deles, e não o nosso.
As revistas femininas (e as masculinas) fazem isso também. Sabe aquelas dicas da Nova pra fazer qualquer mulher deixar qualquer homem louco na cama? Então. É o mesmo machismo, a mesma submissão.
Você de alguma forma tá querendo apagar a imagem de santa, usando a idéia de que você pode ser devassa?
Vou te dar um conselho… de mulher pra mulher: você não precisa ser santa, nem puta. Você pode ser livre.
* Tica Moreno é formada em Ciências Sociais, foi do DCE da USP e do Centro Acadêmico de Ciências Sociais (CEUPES). Atualmente trabalha na Sempreviva Organização Feminista, SOF. Tica é militante da Marcha Mundial das Mulheres

segunda-feira, 25 de abril de 2011

Mais uma vez o Feminismo me ajudou.

Uma coisa que nós do Revolução Feminista sempre dizemos, é que o feminismo só faz bem. E sempre juntamos argumentos e provas disso. Então aqui vai mais uma prova pra comprovar:


Esta foi minha redação para um cargo de emprego de que eu não tinha experiência.


~ ♥ ~


"SEXISMO E SUAS MÁSCARAS



Poderia falar sobre eu mesma, minha vida. Mas este tema sempre recai sobre tudo. Eu gosto de abordar temas polêmicos e desconhecidos, mas hoje o tema é este porque é algo que conheço tão bem quanto a mim mesma. E como esta redação é para saber se eu escrevo certo e tenho algo na cabeça, escolhi. Pois é o tema do meu blog, e se eu não soubesse do que estou falando, os acessos não seriam acima de 7.000.

Este tema, por várias vezes confundido, é mascarado como feminismo. A diferença é simples: Femismo e machismo são sexismo. Porque ambos separam os sexos em patamares diferentes. O machismo engrandece o homem só por ser homem. O femismo engrandece a mulher só por ser mulher. Mas há quem diga que femismo é só um outro nome do machismo, pois suas idéias na verdade também são machistas.

Todavia, o feminismo é diferente. Enquanto machismo diz uma coisa e o femismo diz outra, o feminismo diz que ambos os sexos são iguais em suas diferenças. Isto é: tirando as diferenças físicas, naturais, não há diferenças entre mais capaz ou menos capaz.

Para o feminismo, a sociedade ainda está engatinhando. Pois ainda há lugares em que homens e mulheres têm as mesmas funções e as mesmas ganham salários inferiores. Ainda têm mulheres submissas que sofrem no domínio de maridos violentos. Ainda há o estupro. Ainda há a falsa idéia de que os maiores “gênios” da história foram homens pela incapacidade das mulheres. Ainda acreditam que os livros de Willian Shakespeare foram realmente escritos por ele...

Não. Não vou falar do aborto porque não sou “totalmente” feminista. Sou contra.

Ainda tem muito conceito a ser mudado, muita idéia a ser questionada, muito subconsciente a ser trabalhado, muita mente começar a pensar, e o principal: a criação dos filhos a ser mudada quando precisa.




Monike Lopes"


Quando enviei, fiquei com medo porque fui "sincera" demais, e achei que iria assustar o cara do processo seletivo. Eu não mudei nada do que eu realmente acho e acredito só por se tratar de uma redação de emprego, mas no final acabou dando tudo certo. E já fui chamada! ;)

Para os loucos de natureza que pensam diferente e têm opinião, sempre vem uma recompensa um dia. Nada está perdido e você não está sozinho.

terça-feira, 19 de abril de 2011

Geraldine Doyle



Olá, tudo bom com você? Espero que sim. Estou ótima, obrigada.

Hoje minha pergunta principal é: Você conhece esta pessoa? Este rosto lhe é familiar?
Você com certeza já viu, só não associou... Quando eu descobri quem realmente era, eu tive uma surpresa muito grande. Por que não fazia idéia de que este ícone foi realmente representado por uma pessoa de verdade, e não era um simples desenho. E também como feminista que sou, fiquei com os olhinhos brilhando ao saber quem era/foi.


Pra quem já sabe, muito bem. Pra quem ainda não desvendou, aqui vão algumas dicas: 



Dica 1: Rosie The Riveter é um ícone cultural dos EUA, representando a mulher que trabalhava nas indústrias durante a Segunda Guerra Mundial, muitas delas tendo produzido armas e suprimentos de guerra.Essas mulheres às vezes tomaram inteiramente novos postos de trabalho substituindo os trabalhadores do sexo masculino que estavam no serviço militar. A personagem é irrefutavelmente considerada um ícone feminista no mundo inteiro.
Dica 2: Geraldine Hoff Doyle (Inkster, 31 de julho de 1924 - Lansing, 26 de dezembro de 2010) foi uma modelo estadunidense, ícone da mulher trabalhadora durante a Segunda Guerra Mundial.
Geraldine ficou famosa ao mundo, quando foi utilizada como modelo para o cartaz que chamava as mulheres americanas ao trabalho enquanto a força operária do país estava em combate, durante a conflito que ficou conhecido como a Segunda Guerra Mundial.
Faleceu, aos 86 anos de idade. Em dezembro de 2010.

E aí! Agora já sabe? Bom, então agora você vai saber. Olha esse cartaz que está logo abaixo da Geraldine Doyle velhinha!
Siiiim !!! É ela mesma. Você, como eu, provavelmente sempre achou que esse cartaz era somente desenhado. Mas teve uma pessoa que "inspirou" esse cartaz.E foi uma operária. Operária de verdade, real ! E o nome dela era Geraldine Doyle!
Menos conhecido e vangloriado, o cartaz abaixo também teve como inspiração Geraldine Doyle!

Veja algumas fotos de "Geraldines" da vida real:


WE CAN FUCKIN' DO IT ! YEAH !





sexta-feira, 15 de abril de 2011

A pilha da vida

Viver é difícil? Não, que isso... É bem mais que isso. Viver é um desafio.
É um desafio que vencemos todos os dias, mas a certeza é que terá outro desafio amanhã, talvez ainda pior, assim que abrirmos os olhos.
Afinal, o dia começa quando passa das 00:00 horas ou quando abrimos os olhos e levantamos da cama?

Todo começo é tão pior... Quando não se sabe fazer algo, quando se está aprendendo, quando não se tem experiência... É tudo tão mais difícil, não é mesmo? Mas reza a lenda de que a VIDA é assim desde que o mundo é mundo e não há como mudar. E tudo o que temos que fazer é aprender a lidar com cada situação, seja boa ou ruim. Isso é viver. Se tudo fosse perfeito e você soubesse exatamente o que fazer, como fazer, e etc, qual seria o motivo de estarmos aqui? Se é tudo perfeito, por que precisariam de nós? Mas é justamente por ser tudo TÃO imperfeito... Que estamos aqui. Para organizar essa bodega chamada Mundo.

Somos eternos aprendizes numa empresa toda bagunçada e desorganizada. Injusta e cheia de fofoqueiros e pessoas fazendo sua caveira por aí. Mas também um lugar onde tem pessoas boas, que realmente gostam de você e estão aqui para te ajudar a crescer e aprender.

Hoje só queria compartilhar um pouco com vocês minhas reflexões com base nos lados NEGATIVOS  e os POSITIVOS da minha semana, e principalmente do meu dia. E provavelmente os meus próximos meses serão mais ou menos como esse meu dia de hoje: tensos. Isso até eu "pegar o espírito da coisa" e andar com minhas próprias pernas nessa nova fase da minha vida. Mais especificamente no novo emprego.




Never give up, ladies and gentlemen... ;)

terça-feira, 12 de abril de 2011

Fim de tarde filosofal...

"Gosto dos venenos mais lentos, das bebidas mais amargas, das drogas mais poderosas, das idéias mais insanas, dos pensamentos mais complexos, dos sentimentos mais fortes… tenho um apetite voraz e os delírios mais loucos.
Você pode até me empurrar de um penhasco que eu vou dizer:
- E daí? Eu adoro voar!
Não me dêem fórmulas certas, por que eu não espero acertar sempre. Não me mostrem o que esperam de mim, por que vou seguir meu coração. Não me façam ser quem não sou. Não me convidem a ser igual, por que sinceramente sou diferente. Não sei amar pela metade. Não sei viver de mentira. Não sei voar de pés no chão. Sou sempre eu mesma, mas com certeza não serei a mesma pra sempre."


Clarice Lispector

"Eu gosto do impossível, tenho medo do provável, dou risada do ridículo e choro porque tenho vontade, mas nem sempre tenho motivo.
Tenho um sorriso confiante que as vezes não demonstra o tanto de insegurança por trás dele.
Sou inconstante e talvez imprevisível.
Não gosto de rotina. Eu amo de verdade aqueles pra quem eu digo isso, e me irrito de forma inexplicável quando não botam fé nas minhas palavras.
Nem sempre coloco em prática aquilo que eu julgo certo.São poucas as pessoas pra quem eu me explico..."

Bob Marley

segunda-feira, 11 de abril de 2011

Carreira e Sociedade



Carreira... O que posso falar de carreira? Bom, existem tantas profissões no mundo... E chega uma hora em torno de nossas vidas em que temos que decidir qual será a que seguiremos pelo resto dela. Agora já que as profissões são de tanta importância na vida dos seres humanos, as mais belas profissões são desvalorizadas. Um grande exemplo são os artistas que desde que o mundo é mundo são vistos como vagabundos por exercerem a sua arte, mesmo sendo algo tão digno quanto o que um médico ou advogado faz.


Me pergunto se na história geral existem por exemplo músicos que foram recompensados por fazer a sua arte... Grande maioria morreu pobre praticamente na miséria sem se quer um lugar para ser sepultado após sua morte. A mesma coisa digo dos pintores que antes mesmo de existir a fotografia eram eles quem passavam as cenas do cotidiano para formato de imagens. Grande partes dos documentos históricos são a telas que estão expostas em grandes museus. Sem falar dos atores e atrizes que entretinham os Reis em tempos onde não existia radio nem televisão.


A maior entre as grandes artes para mim é a escrita, pois gênio é aquele que sabe aproveitar bem a escrita, você não precisa ser dotado para poder escrever é simplesmente organizar suas idéias e pensamentos quaisquer do dia-a-dia e mostrar as pessoas o que se pensa, gosta, crítica ou reflete. Veja como um grande exemplo os poetas: Muitas vezes o que eles escrevem não nos faz sentido, e realmente não tem que fazer. Pois poesia é poesia você pode entender do jeito que quiser. O que eu quero dizer com tudo isso é a sociedade desvaloriza os artistas em geral e valoriza jogadores de futebol, por exemplo. Não desmerecendo o que eles fazem, mas se chamamos um jogador de profissional, por que não um artista, não é mesmo? Pense nisso e não seja mais um tolo que age de acordo com o que a sociedade diz.


Amélie berguer demoilin

domingo, 10 de abril de 2011

Emmeline Pankhurst


Criadora e dirigente, durante décadas do mais combativo e massivo movimento pelos direitos das mulheres, a sufragista britânica Emmeline Pankhurst deu uma decisiva contribuição para colocar em evidência a extraordinária combatividade e capacidade de organização das mulheres na luta pelos seus interesses.


Emmeline Pankhurst, nascida Emmeline Goulden, (Manchester, 14 de julho de 1858 — Londres, 14 de junho de 1928) foi uma das fundadoras do movimento britânico do sufragismo. O nome da "Sra. Pankhurst", mais do que qualquer outro, está associado com a luta pelo direito de voto para mulheres no período imediatamente antes da primeira guerra mundial.

Em 1879 casou com Richard Marsden Pankhurst, um advogado. O Sr. Pankhurst era já um apoiante do movimento das sufragistas, e tinha sido o autor da legislação Married Women's Property Acts (Lei da propriedade da mulher casada), de 1870 e 1882. Em 1889, a Sra. Pankhurst fundou a Liga do Franchise das mulheres. A campanha não seria interrompida pela morte do marido em 1898. Em 1903 fundou a melhor conhecida união social e política da mulher (WSPU), um movimento militante cujos membros incluíramm a famosa Annie Kenney, a "mártir" do sufragismo; Emily Davison e a compositora Dame Ethel Smyth. Foi juntada no movimento por suas filhas, Christabel e Sylvia, ambas fariam uma contribuição substancial à campanha em maneiras diferentes.

As tácticas da Sra. Pankhurst para atrair a atenção ao movimento tiveram como resultado o emprisionamento por diversas vezes, mas por causa de seu perfil elevado, não passou as mesmos privações como outras colegas sufragistas (embora experimentasse alimentação forçada após greve de fome). A liderança da campanha não agradou a todos, e houve separatismo dentro do movimento em consequência. A autobiografia, Minha própria história, foi publicado em 1914. Morreu em 1928, tendo atingido a maior de seus objetivos: o direito de voto para as mulheres no Reino Unido.

Em 1898, ficou viúva com a necessidade de sustentar sozinha quatro filhos, o que fez acrescentando à atividade na sua loja, um emprego como auxiliar em um cartório de registros.
Suas duas filhas, Christabel e Sylvia, aderiram à luta da mãe, tornando-se ambas
combativas militantes políticas, embora com posições diferentes. Chritabel e a mãe apoiarão o imperialismo britâncio, assumindo uma posição patriótica durante a I Guerra, enquanto que Sylvia ingressará no movimento socialista contra a guerra, chegando a se tornar uma figura de relevo no Partido Comunista Britânico, tendo participado da polêmica com Lênin na III Internacional defendendo as posições "esquerdistas" antiparlamentares. Enquanto que a filha mais nova procurará ligar mais profundamente à causa proletária, a mãe e a filha mais velha manter-se-ão no terreno do feminismo burguês. Christabel receberá o título de Dame, equilavente feminino do título de cavaleiro (Sir) do império britânico em 1936.

As limitações políticas naturais do WSPU revelaram-se plenamente durante a guerra. O direito de voto e a luta pelos direitos para as mulheres tornou-se um fim em si mesmo. Durante a guerra, assinalando que "as mulheres tinha o direito de servir", Emmeline e o grande movimento do WSPU tornaram-se propagandistas do esforço de guerra do imperialismo britânico, recrutando homens para o serviço militar e mulheres para o apoio ao esforço de guerra, bem como fazendo palestras no Canadá, Rússia e EUA em favor da mobilização industrial das mulheres.

Em 1926, ao voltar a Londres foi escolhida como candidata do Partido Conservador pelo distrito Eleitoral do East End de Londres, importante região operária na época, mas caiu doente antes da eleição.
Finalmente, a lei chamada de Lei da Representação Popular, que concedia o direito de voto às mulheres, foi aprovada em 1928, apenas algumas semanas antes da sua morte.
Emmeline, que havia sido a figura central desta luta e desta vitória, morreu em 14 de junho de 1928.


"Acredite em Deus. Ela providenciará."
Emmeline Pankhurst (☆ 14/07/1858 † 14/06/1928)

sábado, 9 de abril de 2011

A Primeira Feminista da História.

Mary Woollstonecraft, escritora,  é considerada a primeira feminista da história.
Ela nasceu na Inglaterra em 27 de abril de 1759 e morreu em 10 de setembro de 1797, aos 38 anos de idade, exatamente 11 dias depois de dar à luz a uma filha, que se tornaria muito mais famosa do que ela, também como escritora: Mary Shelley, a autora de Frankstein, casada com o também famoso poeta Shelley.
Mary Woollstonecraft escreveu mais de 30 obras e inúmeros artigos, quase na sua totalidade, sobre a condição feminina na sociedade. Musa dos movimentos sufragistas americanos, num século em que as mulheres que sabiam ler e escrever eram exceções, Mary causou furor com as suas reivindicações de igualdade de direitos para homens e mulheres.

Mas teria sido ela realmente a primeira feminista da história?

Todos nós sabemos que a História da Humanidade é a História dos Vencedores. O que chegou até nós, nos últimos milênios, é o relato de um mundo masculino, de dominação machista e de submissão das mulheres.
A tradição e as lendas, porém, falam de agrupamentos humanos dominados pelas fêmeas. Quando os homens ainda não tinham consciência de seu papel na reprodução humana alguns grupos reverenciavam as mulheres por sua capacidade de gerar.  As mulheres celtas dividiam o poder religioso com os druidas e suas sacerdotisas tinham grande influência política. Há ainda os relatos mitológicos do poder das guerreiras amazonas, que decepavam um seio para poder manejar melhor o arco. E existe ainda quem afirme que houve toda uma dinastia de faraós mulheres no Antigo Egito, da qual a famosa rainha Cleópatra seria uma pálida remanescência.

Nos últimos dois mil anos, a História das mulheres (até Mary Woollstonecraft e as feministas que vieram depois dela) é apenas a história da dominação machista. As sacerdotisas celtas que conseguiram manter o seu poder até a Idade Média foram queimadas nas fogueiras do cristianismo como bruxas. Assim como foram consideradas bruxas, na época, todas as mulheres que ousaram mostrar qualquer espécie de conhecimento ou espírito de independência.

Até Mary Woollstonecraft sobrou para nós apenas o poder por trás do pano, ou sub-repetciamente na família ou, na política, as grandes cafetinas donas de bordéis com acesso aos próceres locais.
No entanto, apesar de as feministas radicais terem conquistado a fama de masculinizadas ou de inimigas-do-homem, as verdadeiras mulheres lutadoras só querem ter reconhecida a igualdade natural entre os sexos. Afinal, a igualdade na diferença.

E, se pensarmos amplamente na história da humanidade, talvez possamos concluir que a primeira feminista da qual se tem notícia não seja realmente Mary Woollstonecraft, mas simplesmente Eva, que não contente em ser uma simples costela, comeu o fruto da Árvore do Conhecimento.



texto de: Isabel Vasconcellos.

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Doze mortos, dez meninas.

Sobre o trágico caso da escola Tássio da Silveira, no Rio de Janeiro...
Segundo o histórico da internet, este ser tinha muita mágoa daquela escola e queria se vingar por ter sido muitas vezes rejeitado por pessoas.


Isso explica o fato de que dez, das doze vítimas do ataque dele, tenham sido meninas.
Agora imagina se todos os rejeitados (e rejeitadas) começarem a sair por ai atirando em pessoas que estudam na antiga escola deles (pessoas que não não têm nada a ver, nem ao menos conhecem a pessoa)?!
Realmente a escola não vai ser mais um lugar seguro (se um dia foi).


Eu penso assim: Se a pessoa não tem atributos físicos (como era o caso do assassino), pelo menos deve-se compensar em outros fatores, como: inteligência, bom emprego, boa conversa, boa pegada, carinhoso, popular, engraçado, e etc...


Se ele não conseguiu conquistar nenhuma menina, o problema não é com as meninas. É única e exclusivamente com ele. Ele não tinha nada de atrativo em sua pessoa, e não fez nada para mudar isso.


Agora, ninguém é obrigado a ficar com alguém só porque nenhuma outra pessoa no mundo quer. E ninguém tem que pagar pela rejeição de outras.


E imagino, que esse único menino que ele matou, deve ter sido alguém que tentou reagir e detê-lo. Senão as mortes teriam sido somente de meninas.


Mulheres não são fáceis. Não são garantidas. É preciso conquistá-las com as armas que você possui dentro de você, e não matá-las com armas de fogo que você arranjou por aí.


Isso foi só um devaneio que passou pela minha cabeça e quis dividir com vocês... Aqui está a carta que o assassino suicida deixou.

Música...


7x1 Eu Não Sou Seu
De: Offline
Composição: Pedro Burgos
Só por poder te abraçar
Suspiros e sussurros de carinho e paixão
Passei a noite inteira imerso na escuridão
Pensando em você
Você se quer olhou pra mim quando pensava em ser
E me disse que era o fim eu mal sabia o que fazer.
Noites inteiras sem dormir
E agora você vem me dizer
(Refrão)
Que só quer voltar pra mim, diz pra eu esquecer de tudo aquilo que passou
Mas agora já é tarde pra tentar se preocupar
Você vai ter que aprender, se você quer perdão
Que tudo aquilo vai mudar
7 à 1 eu não sou seu,
Não adianta nem ligar pedindo pra eu voltar
Quando estiver com os amigos cê vai ter que entender
Agora eu sou só meu
Se você quer me namorar
Vamos ter que combinar
7 à 1 eu não sou seu
Agora é tudo tão normal
Estudo, vou à praia e levo a vida que sonhei
Nada de ligar o dia inteiro pra você
Agora tenho a minha vida e o que eu quero é viver
Com tantos peixes no oceano porque escolher você?
E ainda assim
(Refrão)
Cê só quer voltar pra mim, diz pra eu esquecer de tudo aquilo que passou
Mas agora já é tarde pra tentar se preocupar
Você vai ter que aprender, se você quer perdão
Que tudo aquilo vai mudar
7 à 1 eu não sou seu,
Não adianta nem ligar pedindo pra eu voltar
Quando estiver com os amigos você vai ter que entender
Agora eu sou só meu
Se você quer me namorar
(Se você quer tanto voltar)
7 à 1 eu não sou seu.
Jamais,o amor vai me dizer o que fazer
Eu sei,o quanto era feliz por ter você
Mas não mais, acho que só vivo pra te ter
E eu sei, mais cedo ou mais tarde alguém vai(substituir), substituir todo esse amor e ainda assim
(Refrão)
Você só quer voltar pra mim, diz pra eu esquecer de tudo aquilo que passou
Mas agora já é tarde pra tentar se preocupar
Você vai ter que aprender, se você quer perdão
Que tudo aquilo vai mudar
7 à 1 eu não sou seu,
Não adianta nem ligar pedindo pra eu voltar
Quando estiver com os amigos cê vai ter que entender
Agora eu sou só meu
Se você quer me namorar
Vamos ter que combinar
7 à 1 eu não sou seu.
Não adianta nem ligar pedindo pra eu voltar
Quando estiver com os amigos cê vai ter que entender
Agora eu sou só meu
Se você quer me namorar
(Se você quer tanto voltar)

terça-feira, 5 de abril de 2011

Queimando o preconceito...

...E fazendo os sexistas engolirem as cinzas da ignorância.


Este é o novo tema do Revolução Feminista.
O fogo.
"Mas pq fogo?
Para quê tanta agressividade, menininhas?"


O fogo foi uma das descobertas mais importantes que o ser humano já fez.
Uma coisa tão simples, tão real, tão útil, tão insubstituível...


E assim quero que também seja o feminismo.


Simples porque é mais fácil todos verem o homem e a mulher como seres semelhantes. Isso deveria ser automático. Mas a sociedade preferiu ir por um caminho mais difícil, o de separar os sexos. "Homem foi feito para fazer isso, mulher aquilo."


Real porque quer você queira, quer não, o feminismo está vivo. Nos últimos tempos, está mais vivo do que nunca, e tende a intensificar-se cada vez mais. Essa chama que aos poucos vai extinguindo a ignorância e o preconceito desse mundo.


Útil: É bom para todos. Mulheres que ganham suas liberdades e ficam fora do alvo de mentes hipócritas e programadas como robôs, ficam mais felizes e completas, e isso é bom para todos. E bom para os sexistas que já podem ir acostumando-se com o novo formato que a sociedade está tomando.


Insubstituível... O feminismo é insubstituível, porque por mais que tenham ativistas de todos os tipos por ai, nenhum abrange tantas causas como o feminismo. Preconceito tem em todo lugar, e qualquer um sofreu ou pode sofrer dele. O feminismo é a água do ser humano. (pior que realmente tem gente que não bebe água).


Em 2012, o mundo de certa forma vai acabar. Não da maneira que a mídia projetou nas mentes menos críticas. Vai acabar um ciclo. E quando acaba um, começa outro. E este ciclo, vai ser um reciclo. Uma reciclagem mental. O mundo vai passar a ver o que não via. E a cegueira do cérebro vai passar. Quem adaptar-se a esse Novo Mundo, vai se dar muito bem. Caso contrário, a seleção natural vai se encarregar do resto.


Universo, pela bondade que ainda resta em algumas pessoas nesse mundo, dê sabedoria, conhecimento, visão de futuro, inteligência para os que disso carecem. Pois senão infelizmente eles vão sofrer muito nos próximos anos. Não gostaria que ninguém pagasse para ver.

sexta-feira, 1 de abril de 2011

A mulher contra o mundo

Mulher
Por que estais tristes?
O mundo não está bom o suficiênte para vós?
Já não conquistastes o espaço que tanto almejavas?
O que queres mais de mim?

Mulher
Está revoltada com o quê? Sua revolta é inútil e irritante.
É porque homens ganham mais exercendo as mesmas funções que vós?
É por ainda terem mulheres submissas que acham que a opinião dos maridos vale mais que as delas simplesmente por serem homens?

Mulher
Acorda para a vida
Para que ficar lutando, lutando e lutando...
Esta será uma guerra que nunca terá um fim.
Para qu desperdiçar a vida com o incerto?

Tola mulher...
Não ache que mudar-me-á com sua guerrilheira veemência.
Nem com seu suor, nem com suas palavras e feitos conseguirá tal façanha.
Sua luta será em vão e não estará viva para presenciar.
Pois sou assim e sempre serei, sinto lhe informar.

Mundo
Eu vos digo: Sou capaz de fazer qualquer coisa que eu queira.
E você vai mudar custe o que custar.
Tenho o direito de ser o que quiser ser da minha vida.
E dever de receber o mesmo que um homem pelos meus feitos.

Mundo
Minha revolta nunca acabará.
Pois sempre terei algo por quê batalhar.
Acredito na força da minha palavra contra vós.
Movo mundos, movo fundos, mudo formatos, estruturas e padrões.

Mundo
Não me subestimes mais.
Não fui feita para ser um bibelô e servir meu marido.
Fui feita para mudar, encantar e revolucionar este meu mundo.
Semear justiça e colher igualdade e prosperidade para nós e nossos filhos.

Mundo, pobre mundo...
Por que giras tanto se as mentes não o acompanham?
Posso morrer lutando por tal evolução,
Mas morro com orgulho no coração.
E esse sentimento pairar-se-á pela eternidade.



Le feminisme ou la mort!