quinta-feira, 9 de junho de 2011

Mulher no Volante - Revolução Constante (2ª parte)

Hoje, no escritório onde eu trabalho, surgiu uma discussão sobre mulheres dirigindo.
Okay.
Ouvi de uma mulher (sim, o próprio gênero), que quando ela vê alguém fazendo uma "barbeiragem" no trânsito ela olha, vê que se trata de uma mulher e fala: "Tiiinha que ser mulher!"


Então eu fiquei pensando... Se fosse um homem (que também são bem comuns como barbeiros) ela falaria "Tiiinha que ser homem!" ??


Então raciocinei mais um pouco com meus botões e pensei: É FATO: Em todos os 26 estados brasileiros, homens morrem mais no trânsito. E as estatíticas são gritantes. E TENHO CERTEZA que não é puro azar ou pura coincidência. Pois não é "empate técnico" Segundo pesquisas: Os homens morrem 5 vezes mais que as mulheres no trânsito!


Segundo um estudo do Ministério da Saúde, foram 112,4 mortes de homens por 100 mil habitantes naquele ano. O índice feminino foi de 21,6 óbitos por 100 mil.


E não adianta falar "Ahhh mas tem mais mortes masculinas porque tem mais homens que dirigem" Pois há somente 6 motoristas homens para cada 10 motoristas no geral. Ou seja, 10% a mais que as mulheres. Nada justifica os dados de 5 vezes mais mortes de homens com relação à morte de mulheres no trânsito.


Eu não sei exatamente POR QUE eles morrem mais. Uns falam que eles dirigem que nem "loucos". Outros falam que muitos dirigem bêbados. Outros falam que eles dirigem mal mesmo.
Eu não sei mas gostaria muito de saber o porquê. Mas a hipótese que acho mais plausível é a falta de cautela deles e espírito de poder que eles sentem no "controle" de um carro.


Agora lanço uma questão para vocês:


O que vale mais a pena? Perder 10 minutos da vida fazendo uma baliza ou perder uma vida inteira em 10 segundos?


E o pior: Ainda levar consigo a vida de pessoas que nem tinham nada a ver com a história.