quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Agressão e preconceito no skate

É nessas horas que nós ficamos sem ter o que falar. 
Além de estar extremamente triste, ao mesmo tempo estou assustada porque a cada dia que passa esse tipo de violência aumenta. Sem contar nos que tratam as nossas causas e o movimento completamente inútil. 
E o pior, toda essa violência por absolutamente nada.

Olhem o absurdo:


"SKATADA NA CARA

AGRESSÃO E PRECONCEITO NO SKATE

No dia 03 de Agosto a Skatista profissional Ana Paula Araújo, local de São Paulo estava praticando o skate na Praça Roosevelt quando foi brutalmente agredida e ofendida pelo Skatista Profissional da empresa Snoway, Sócio na Metallum Trucks, Juiz da Confederação Brasileira de Skate e proprietário da empresa Vegetal Skate.
Durante a sessão de skate, numa das pausas para beber água e descansar, Ana Paula Araújo estava sentada na escada da praça com alguns praticantes conversando, quando foi iniciada uma conversa com conatação de brincadeira em que um deles falou:
“O Fulano, fala se a Paula não é um macho, aquele dia quando sua mina “tava” aí ela ficou falando dos “peitos” dela”.
Ana Paula Araújo respondeu: “Claro a mina “mó” bonita, mas nem por isso eu sou macho, apenas não tenho vergonha de falar que uma mina é bonita”.
O Agressor preconceituoso respondeu: “Vamos parar de chamar ela de macho se não ela perde a linha e vai embora e vê se para de falar da mina do cara desse jeito seu macho, fala da minha mina pra você ver”.
Ana Paula Araújo: “Cara, você quer zoar, zoa aí, mas sua mina é mó gata também, tem até uma cinturinha fina”.
O Agressor surta: “Cinturinha ???? Você tá tirando ???”...
Neste momento o Agressor levanta e se posiciona atrás de Ana Paula e diz: “Você é cheia de zoar os outros e não gosta que zoem com você”, e dá um tapa na cabeça de Ana Paula.
Neste momento ela e todos os presentes entram em choque, jamais imaginavam o que estava para acontecer.
O coadjuvante nº 1, que estava sentado ao seu lado esquerdo, segura suas mãos e fala para ela ficar calma, o coadjuvante nº 2, que estava ao seu lado direito fala para irem embora.
Ana Paula Araújo que estava sentada, cabisbaixa e em choque, não conseguiu se mover e nem falar nada, quando o agressor veio à sua frente e fala: “Você é mó macho mesmo”, e desfere um golpe com o skate em seu rosto. Definitivamente DEU-LHE UMA SKATADA.
Imediatamente o sangue começa a jorrar, ela não consegue enxergar de tanta dor, seus óculos quebrados.
O coadjuvante nº 1 começa a ajudar com os ferimentos e o coadjuvante nº 2 começa chorar em pânico.
A partir daí desceram as escadas da Roosevelt para lavar os ferimentos na torneira da praça.
Em seguida o Posto da Guarda Municipal a levou para o hospital, para que fossem prestados os primeiros socorros e após os primeiros cuidados foi lavrado o Boletim de Ocorrência e realizado o exame de corpo de delito.
Enfim, Ana Paula Araújo saiu para encontrar amigos e achou que estava entre eles, em momento algum imaginou que uma simples brincadeira fosse tomar tamanha proporção.
Frise-se que Ana Paula não é homossexual e mesmo que fosse NADA JUSTIFICARIA tamanha brutalidade.
Mas não deixaremos impune, como skatista e Advogada Criminalista vou instaurar Queixa-Crime para que o criminoso seja processado e ao final condenado..."

                                           Ana Paula Araújo, vítima

Fonte 



segunda-feira, 15 de julho de 2013

Hey amigo, você também merece!

Pra você que, quando chega dia 8 de março começa com as piadas de que "dia do homem é todo dia" você está enganado, porque o dia do homem existe sim e é comemorado hoje- 15 de julho.
Com o intuito de promover a igualdade solucionando, assim, problemas relacionados aos gêneros.
Para mim o dia é extremamente válido por esses motivos. (Embora algumas definições sejam um pouco conservadoras.)


O que muitos não sabem, é que em cada ano, a celebração ocorre com um foco diferente. A maioria relacionada a saúde, influenciando e incentivando os cuidados e a prevenção de doenças, como em 2002, que foi o "Ano da Saúde Masculina". 


Parabéns para aqueles que, juntos de nós lutam para melhorar as relações entre os gêneros e promovem a igualdade para que, ninguém saia prejudicado e nem privilegiado. 



sábado, 27 de abril de 2013


"Percebe-se que foi "cuspido" e em "dez minutos"... a carga de preconceito dos seus comerciais é nítida. Achar que estipular padrões às mulheres, ou mesmo aos homens não é machismo é equivoco. Nesta própria resposta pode perceber um destes padrões "Porque ela acha que as mulheres têm que estar em casa (...) engordando três quilos por semestre", porque tanto têm que bater nesta tecla do peso, qual o problema de ter um peso acima do "seu padrão"? Tá, pode me falar que não é machismo, embora eu não pense assim, mas não enquadrá-lo como tal, não faz com que deixe de ser preconceituoso e opressor. Bom, sou um cara bem humorado, gosto de piadas, mas não concordo que seja honesto disseminar ideais perversos sob o pretexto do humor... Mesmo que sejam só piadas, os grupos "minoritários" ("oprimidos" faria mais sentido, porém penso que haveria uma dificuldade de interpretação por parte daqueles que eu gostaria de "atingir") sofrem por se sentirem "diferentes" a medida que são ridicularizados, são colocados como "não humanos" (considerados distintos do "padrão de humano"), como "coisas", como meras "caricaturas"."


Autor desconhecido. 

sexta-feira, 26 de abril de 2013

Privilegiadas ou não?



Quantas vezes não observamos que  a maioria das pessoas dizem, sobre a Lei Maria da Penha (LEI Nº 11.340), tornar o feminismo igual ao machismo (lutar pela superioridade da mulher e não a igualdade da mesma)?

Histórico da lei:
A bio farmacêutica, Maria da Penha Maia Fernandes em 1983, sofreu 2 tentativas de assassinato pelo (na época) seu marido, a primeira tentativa ele atirou simulando um assalto,  e na segunda tentativa ele tentou eletrocutá-la. Por conta das agressões, Maria da Penha ficou paraplégica. Ela procurou a polícia que não fez absolutamente nada. Após muitos anos o marido dela continuou solto. Esse acontecimento foi tão absurdo que provocou uma denuncia formal contra o Brasil na Comissão Interamericana de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos. Nove anos depois, seu agressor foi condenado a oito anos de prisão. Foi preso em 28 de outubro de 2002 e cumpriu dois anos de prisão. Atualmente, está em liberdade.

Não consigo entender como podem achar que uma lei que é contra a violência seja um privilegio. Talvez seja porque muitos não entendem que a lei foi criada por uma necessidade enorme pelo aumento da violência doméstica contra a mulher. Mas isso de maneira alguma altera o fato de que homens também sofrem violência doméstica.    
                                                                                     
Para mim, a criação da lei foi de extrema importância e há alguns anos passou a valer também para violência doméstica contra homens. Um homem denunciar sua mulher por ser agredido não deveria ser, de forma alguma, uma vergonha até porque é um direito. Um homem que é agredido por sua mulher é considerado um “fracote”, que não põe a mulher em ''seu lugar'' por conta dessa compleição física e a cultura machista, muitos se calam.

 A lei é considerada sexista só por estar escrita de forma errada que discrimina o ser humano por uma questão de gênero e que deve ser reformulada. Em termos a lei pode ser aplicada sim se o homem for a vítima.  Porém, com relação a violência doméstica contra o homem o único efeito da lei é proteger a vítima e não punir o agressor sendo ele, mulher. O que é muito injusto e preconceituoso. Eu sou feminista e falo apenas por mim, não ficarei dizendo que "feministas de verdade só lutam pela igualdade absoluta" isso é ridículo. Falácias, aqui não!   Até porque conheço muitas(os) feministas que concordam com algumas coisas relacionadas ao feminismo e discordam de outras. Você pode ser a favor de um ideal e não concordar com absolutamente TUDO o que ele prega.

Enfim, eu sou a favor da reformulação da lei, que proteja, dê a assistência necessária e que haja punição para o agressor, de fato, em igualdade.


Sendo homem, sendo mulher, sendo homossexual ou heterossexual, independente da etnia, classe social e opinião, não sofrermos agressão física, moral, psicológica e emocional é um direito!




quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

A mulher e seu senso de humor

É realmente difícil uma mulher que tenha senso de humor. Na maioria das vezes ela acha que tem, mas na verdade não tem. É difícil uma que saiba brincar com a feiúra, gordura, burrice, velhice, homossexualismo ou sexo. Fazer piada com outra pessoa é fácil. Mas e falar de si mesma, tendo ou não tendo esses itens acima? Mulher é muito encucada, muito neurótica com o corpo (eu vejo isso por mim mesma). Eu sou assim. Se for para fazer piada com uma pessoa gorda, eu faço mesmo. Mas se eu engordar 3 kg já fico neurótica.

Não sei se essa é a nossa natureza ou se ao longo dos anos isso foi imposto em nós pela “pressão da sociedade”. Sejamos sinceros, da mesma forma que o “padrão de homem perfeito” é o bem $ucedido, independente da beleza, o “padrão de mulher perfeita” é a bonita (e esta beleza também é pré-determinada pelas pessoas). Seria esse o padrão de casal “perfeito”: Homem rico e mulher bonita. Ou seja, há muita pressão no homem dele ter que ter dinheiro e pagar tudo para as mulheres e há muita pressão nas mulheres para que elas sejam bonitas para que tenham homens para pagar coisas para elas. Houve um tempo em que nem tínhamos liberdade de expressão; Nossos maridos eram nossos “donos”, nem votar sem a permissão deles podíamos; não tínhamos liberdade sexual (e ainda não temos 100%) e quando eu falo liberdade sexual não estou falando “dar” pra todo mundo, somente a liberdade de falar de sexo se você quiser e até fazer com quem quiser (tenho uma opinião formada sobre quem “dá” ou “come” todo mundo, seja homem ou mulher, mas isso já é outra história).

Então, na minha singela opinião, nós, mulheres, ainda estamos “moldando” nosso senso de humor. Hoje em dia temos humoristas ótimas como Tatá Werneck, Dani Calabresa, entre outras que não têm vergonha de fazer piada consigo mesmas, independente do tema. Maaas, quando se tratam de hábitos ou pensamentos que passaram gerações em gerações, leva muito tempo, mas muito tempo mesmo para mudar isso. Mas eu sinto que já mudou um pouco. Mas ainda sim, temos muito menos senso de humor do que os homens. Isso é verdade.

Conclusão: Sim, nós mulher pensamos mais em sermos bonitas do que sermos engraçadas! (lembrando que falo em 28/02/2013, pessoas do futuro!) [risos]

Portanto, você que é homem e está lendo isso, preste atenção: Se você conhecer uma mulher que tenha senso de humor (de verdade), CASE-SE com ela! Por elas são muito raras. [risos]

beeeijos, e até a próxima, minha gente!

Nikk'